Um herói de verdade.

Explicara-me que, na maioria das tradições, religião não tem a ver com crença, e sim com prática. Religião não é aceitar vinte proposições impossíveis antes do café-da-manhã, e sim fazer coisas que podem mudar seu adepto. É uma estética moral, uma alquimia ética. Comportando-se de determinada maneira, o devoto se transformará. Os mitos e as leis da religião são verdadeiros não porque se coadunam com uma realidade metafísica, científica ou histórica, e sim porque enaltecem a vida. Contam como a natureza humana funciona, mas, para descobrir sua verdade, é preciso aplicá-los à própria existência e colocá-los em prática. Os mitos dos heróis, por exemplo, não surgiram para nos fornecer informações históricas sobre Prometeu ou Aquiles – nem sobre Jesus ou Buda. Seu objetivo é compelir-nos a agir de tal modo que revelemos nosso próprio potencial heroico.

Karen ArmstrongA escada espiral – Memórias, Editora Companhia das Letras, São Paulo, 2005

O Poder do Mito

 

”Dizem que o que todos procuramos é um sentido para a vida. Não penso que seja assim. Penso que o que estamos procurando é uma experiência de estar vivos, de modo que nossas experiências de vida, no plano puramente físico, tenham ressonância no interior do nosso ser e da nossa realidade mais íntimos, de modo que realmente sintamos o enlevo de estar vivos…” – Joseph Campbell

Na verdade, espiritualidade requer que você vá para seu interior e aceite o que encontrar, independente do que seja. Nem tudo o que encontrará será bom ou belo. Mas, enfrentar a si mesmo é um estágio importante para encarar a verdade. E lendo os livros e estudos do renomado professor, escritor e especialista em mitologia e religião comparada, Joseph Campbell, sobre a religiosidade e suas várias facetas, entendemos a “espiral” que pode ser “a verdade”.

Tanto nos meus estudos como escritor (O observador que vos fala), lendo a “Jornada do Herói” para entender o processo criativo que arrebata pessoas no mundo inteiro nos livros de ficção e fantasia, aos estudos que faço como ocultista que me levam a incríveis reflexões nos livros “O poder do Mito” e “As máscaras de Deus” (e seus volumes) me rendo a genialidade desse homem.

Para entender melhor, caro amigo e leitor, convido-o a ver as últimas entrevistas deste que foi um dos gênios do século XX, pouco antes de falecer em 1987. Seja bem vindo ao mundo incrível e “re-descoberto” por de Joseph Campbell. Cuidado pois tudo que acreditava ser as bases de suas crenças podem “ruir”.

O legado de Campbell para a humanidade é inestimável e os que assistirem as entrevistas e refletirem em suas declarações irão compreender em seus corações e mentes.

Mas digo pra melhor muito MELHOR!

Os livros escritos por Campbell e detalhes vocês consegue aqui.

Bom filme! 😉

O Poder Do Mito, por Joseph Campbell

Entrevista com Joseph Campbell (1904-1987), mitólogo norte-americano, feita pelo jornalista Bill Moyer.

Os estudos independentes de Campbell levaram-no a uma análise profunda das ideias do psicólogo Carl Jung e de Sigmund Freud. Altamente influenciado pela psicnálise jungeriana, Campbell escreveu ,em 1949, o livro The Hero with a Thousand Faces (“O Herói de Mil Faces”) . A entrevista é dividida em 6 temas:

1º A Mensagem do Mito — Campbell compara a história da criação de Gênesis com as histórias de criação no mundo de outras culturas

.

2º: A Saga do Herói — Muito antes dos cavaleiros medievais se encarregarem de matar dragões, os contos de aventuras heróicas já faziam parte de todas as culturas mundiais. Campbell nos desafia a ver a presença de uma jornada heróica em nossas vidas. Continuar lendo O Poder do Mito

Receber ou não, o presente?

Já dizia uma antiga história budista…

Quando percebeu que a India era grande demais para poder levar sua mensagem pessoalmente, Sidartha encaminhou seus discípulos em todas direções. Um deles voltou, cabisbaixo, taciturno, dizendo que não podia pregar porque as pessoas o xingavam, insultavam.

Então, Buda o acalmou:

– Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente?
– A quem tentou entregá-lo – respondeu o discípulo.
– O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos – disse o mestre –
Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carrega consigo.

E esse discípulo voltou ao mesmo local onde o haviam xingado e se tornou um dos melhores pregadores e difusores da sabedoria budista.

Os sete cegos e as sete verdades…

Sete sábios, cada um de uma religião, discutiam qual deles conhecia, realmente, a verdade.
Um rei muito sábio que observava a discussão aproximou-se e perguntou:
– O que vocês estão discutindo?…
– Estamos tentando descobrir qual de nós é dono da verdade.
Ao escutar isso, o rei, imediatamente, pediu a um de seus servos que levasse sete cegos e um elefante até o seu castelo. Quando os cegos e o elefante chegaram ao palácio, o rei mandou chamar os sete sábios e pediu-lhes que observassem o que aconteceria a seguir.
O sábio rei pediu aos cegos que tocassem o elefante e o descrevessem, um de cada vez.
O primeiro cego tocou a tromba do elefante e disse:
– É comprido, parece uma serpente.
O segundo tocou-o no dente e disse:
– É duro, parece uma pedra.
O terceiro segurou-lhe o rabo e disse:
– É cheio de cordinhas.
O quarto pegou na orelha e disse:
– Parece um couro bem grosso.
E assim, sucessivamente, cada cego descreveu o elefante de acordo com a parte dele que estava tocando.
Quando todos terminaram de descrever o animal, o rei perguntou aos sete sábios:
– Algum desses cegos mentiu?
– Não! – responderam os sábios em coro – Todos falaram a verdade.
Então, o rei perguntou:
– Mas algum deles disse realmente o que é um elefante?
– Não, nenhum cego disse o que é um elefante, mesmo porque cada um tocou apenas uma parte dele – disse um dos sábios.
– Vocês, sábios, que estão discutindo quem é dono da verdade, parecem cegos. Todos estão falando a verdade, mas, como os sete cegos, cada um se refere apenas a uma parte dela – disse o sábio rei, concluindo:
– Ninguém é dono da verdade, porque cada um a vê de ângulo diferente. “

Lógica paciente…

Existe uma lógica para a paciência.

Não estamos falando da paciência Crística, onde se perdoa sem ter a noção profunda, o que já é lindo, mas ainda não focado. E eis porque muita gente ainda mergulha profundamente na intolerância…

Por que deveríamos ter paciência com os mais necessitados?
Com os desequilibrados?
Com as pessoas sem direcionamento, sem harmonia?
Com os espíritos ainda sem rumo?

Observe primeiramente uma pessoa nervosa!
O que há com ela?
A maioria responderia: Continuar lendo Lógica paciente…